quinta-feira, 19 de agosto de 2010

são paulo

São Paulo levou minha alegria
roubou a lembrança da noite-mais-que-dia
tirou do ar a cor, do mar o amor
roubou da luz o dia

comeu meu nome e minha guerra
meu céu e minha terra
São Paulo levou de mim a cor

pois foi um olhar que se fez de entrada
pro abraço, risinho e mãos dadas
e comentários daqueles banais
transformaram porto em cais

e do público a vergonha do beijo
degustado com ímpeto e medo
entregou-se ao mar o desejo
ao som do fogo e luz do luar

São Paulo me fez mudar meus planos
não querer ver-te uma vez ao ano
deixar pra trás o inverno de pano
mudar os sonhos pra me adaptar

6 comentários:

Karla Hack disse...

Lindos versos!
Causam sensação aos que leem...
Envolvente!
;D

Fernando disse...

Olá Augusto.

Gostei desse poema, uma recordação de São Paulo com uma leve pitade de tristeza. Gostei sim.
Grande abraço

Max Aghek disse...

Ah, foi a unica maneira que encontrei de fazer contato... HMM, bom seus textos, eu não os li inteiros e nem todos, mas o pouco já demonstrou que são bons... abs!

Arthur Andrade disse...

Ha! Gostei do ambiente dark! xD

Calcanhar de Aquiles disse...

Encontrei comigo mesmo lendo seus versos.

Abração amigo.

Suzy Carvalho disse...

São paulo *-*
nem é estado, é pais :D

olha somos Carvalhos's hauha ;D